Como manter um modelo de trabalho híbrido de sucesso mesmo após a pandemia?

O tão esperado retorno à normalidade não significa voltar aos velhos hábitos. O trabalho híbrido veio para ficar, e o ano novo traz mudanças irreversíveis na forma como o percebemos- e trabalhamos.

A interrupção causada pela pandemia forçou as empresas a permitirem o trabalho remoto e testou a capacidade dos colaboradores de abraçarem novas formas de engajamento e interação. O poder de promover mudanças sustentáveis ​​e colaborativas será compartilhado por empregadores e talentos, em condições cada vez mais iguais. As empresas que procuram continuar prosperando no próximo ano precisarão entender e abraçar essa transformação fundamental para equilibrar com sucesso a tecnologia e a reinvenção do trabalho.

Os colaboradores que gostaram das vantagens do trabalho híbrido e flexível não têm desejo de retornar à vida corporativa em tempo integral. De acordo com diversas pesquisas, 80% dos funcionários preferem passar alguns dias da semana trabalhando de casa. Querem flexibilidade e, com a economia em recuperação e a grande demissão que vem ocorrendo, têm mais poder para escolher como e de onde trabalhar.

O futuro do trabalho híbrido

Os locais de trabalho do futuro serão ecossistemas de espaços e salas que precisam atender aos hábitos de trabalho ou necessidades de diferentes perfis. As pessoas não irão mais para o escritório porque devem, mas porque desejam uma interação humana. Isso levará a mudanças significativas na arquitetura, imóveis, design de salas e investimento em dispositivos e tecnologias, já que todas essas necessidades acontecerão em prol de fornecer as melhores experiências de trabalho.

As organizações que não conseguirem oferecer suporte à flexibilidade em 2022 terão dificuldade em construir uma cultura. Durante a pandemia, o distanciamento afetou a inovação e a criatividade das equipes. Bate-papos informais ou encontros não agendados não aconteceram mais por quase dois anos, mas momentos colaborativos como esses, das idas eventuais ao escritório, contribuem para o compartilhamento de conhecimento e resolução de problemas. A colaboração é necessária para a criação da cultura, com o vínculo entre o bem-estar do colaboradores e o desempenho dos negócios.

 

Os efeitos da pandemia no trabalho híbrido

Durante a pandemia, tudo se resumia à dar continuidade nos negócios e como as empresas precisaram adotar uma filosofia que priorizava as pessoas, afinal, eram elas que continuavam trabalhando mesmo em meio ao caos da incerteza de um vírus. Recentemente, uma pesquisa da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, mostrou que mais de 40% dos trabalhadores procurariam ativamente outro emprego se seus empregadores deixassem de oferecer trabalho híbrido.

O principal desafio do trabalho híbrido e flexível é criar equidade para todos. Não importa de onde as pessoas escolham trabalhar – em seu carro, em uma sala de reuniões ou em casa – as empresas devem fornecer o suporte tecnológico que garantam a inclusão entre todos os talentos. O acesso à informática é fundamental para garantir que as pessoas recebam as informações ao mesmo tempo.

 

E aí, na sua empresa, como estão os preparativos para continuar ou implementar o modelo de trabalho híbrido em 2022?

Fique por dentro desse e mais conteúdos seguindo o nosso perfil no Instagram!

Deixe seu comentário!